Para sonhadores... Deixem-se levar... O blog mudou de cores, mas os sonhos são os mesmos...

17
Ago 10

 

 

 

Todos os anos digo que vou deixar de ver futebol, que vou parar de me aborrecer com os resultados e de sofrer com os jogadores. Mas depois, uma força intrínseca quase me obriga a aceder ao site, ver as notícias, as declarações, as imagens... E as campanhas. Podemos não ter uma história extensa de troféus ou vitórias recentes. Podemos estar a atravessar um péssimo momento.

Mas uma coisa é certa: temos o melhor marketing. A cada novo ano, os anúncios da gamebox são sempre capazes de me surpreender... e comover. Mexem comigo e não me permitem acomodar na indiferença que tanto procuro.

Porque às vezes acreditar também cansa. E dói. Para quem leva o futebol a sério, cada derrota é capaz de estragar o seu dia, de lhe conferir uma anergia incapacitante e um mau-humor invencível. Porque é parte de nós. Porque, ao contrário do que os "não-sofredores"alegam, não é passível de ser controlado.

 

Este ano não é excepção e o Sporting apresentou mais uma extraordinária campanha publicitária. Parte da história de jogadores que deram tudo pelo clube e cujo amor à camisola os prendeu e tornou adeptos. Histórias de dedicação com o Sporting em comum. Beto Acosta, César Prates e De Franceschi deliciam-nos com vários capítulos da sua história. Deixo aqui os melhores filmes, mas todos eles podem ser encontrados no site do clube:

 

http://www.sporting.pt/Servicos/Gamebox/gb1011_video_cesarprates_capituloI.asp

 

http://www.sporting.pt/Multimedia/Videos/video_vd_cesarpratescap2_200710_63410.asp

 

http://www.sporting.pt/Multimedia/Videos/video_vd_acostacap3_260710_63613.asp

 

http://www.sporting.pt/Servicos/Gamebox/video_vd_acostacap4_100810.asp

 

http://www.sporting.pt/Servicos/Gamebox/video_vd_defranceschi_170810.asp 

 

Ainda assim, o Sporting começou mal com o Paços. Mas a força de acreditar vence sempre. E não me deixa a lucidez para avaliar de forma racional as nossas hipóteses e muito menos me deixa a possibilidade de escolher não sofrer, não ver, não saber. Porque o Sporting me corre nas veias.

 

SEM TI NÃO HÁ CAMPEÕES. TU ÉS O SPORTING!

publicado por Vânia Caldeira às 13:01
tags:

08
Nov 09

 

Foi assim que acabou, infelizmente... Uma série de maus resultados e más exibições da equipa, culminou de forma injusta e ingrata com a saída de Paulo Bento.

Sabia que isto ia acabar por acontecer, mas, apesar disso, ainda não acredito que aconteceu. Estou triste com a saída do meu querido treinador.

Ele marca um período de grande força no Sporting. Um período caracterizado, de frontalidade e sinceridade, sem meias palavras, com objectivos definidos, com garra e dedicação. Foi assim que Bento sempre dirigiu o meu clube.

Por tudo isso estou eternamente grata.

Não são justas nem honestas, as últimas palavras que se têm soltado acerca deste óptimo treinador. É a equipa enquanto todo que não joga, que não consegue, por mais que se esforce. E isso não vai mudar com a troca de treinador.

 

De qualquer forma, Paulo, obrigada por tudo. Por toda a fé que sempre depositaste na equipa, pela força com que a agarraste, pela dedicação que lhe dedicaste e por tudo o que nos deste. Obrigada. E, espero, eu, até um dia destes! Nunca te esqueceremos! Boa sorte.

publicado por Vânia Caldeira às 22:22

23
Ago 09

 

A noite esteve longe de ser brilhante... O ambiente em Alvalade prometia festa, mas os foguetes acabaram por não ser lançados. Num painel do Directivo XXI lia-se que o segundo lugar não era suficiente, queríamos lutar pelo título.

O que é certo é que o grande rugido do leão ficou por se fazer ouvir e um pequeno, às vezes um pouco maior Sporting saiu para jogar.

Nos primeiros minutos todos acreditámos. Sim, sentimos que a força e garra que predominaram contra a Fiorentina tinham vindo para ficar e marcavam um novo ciclo no clube. Porém, aqui, a culpa nem sequer foi do árbitro. Esse, apesar de uma grande penalidade por assinalar, pode dizer-se que saiu isento de culpas.

A culpa? Foi dos suspeitos do costume.

Apesar de na frente a coisa estar a correr bem, com vários remates à baliza, um total domínio sobre a equipa adversária e uma grande vontade de vencer, lá atrás, junto à baliza, a história é outra.

E assim que o Braga decide atravessar o meio campo... é golo. Nem um Miguel Veloso enorme, um extraordinário golo de Yannick, um Liedson sempre esforçado, ou um Matías melhor que das outras vezes chegaram. Pedro Silva, André Marques, Polga e Postiga trataram de destruir tudo o que os outros tentaram fazer crescer. Com lances infantis e demasiada descoordenação.

A solução? Passaria certamente pelos avanços da clonagem, o que (por motivos éticos) pode chegar tarde demais. Quatro Carriços seriam, certamente, a melhor defesa do campeonato. Talvez o Vuk à direita e um substituto para o Postiga.

Culpa do Paulo Bento? Não creio. A culpa é dos jogadores. E a mudança de técnico não me parece uma solução, nem me parecem justas algumas das críticas que têm vindo a fazer-se ouvir.

Queremos mais e sabemos que a equipa é capaz de melhor. Mais concentração, mais empenho, mais garra e mais eficácia. Até lá, continuaremos a puxar por eles.

Porque, de qualquer forma, e apesar da triste noite, é sempre bom regressar a Alvalade. E sentir-me inequivocamente em casa...

publicado por Vânia Caldeira às 20:58
tags:

05
Ago 09

 

Para meu enorme desgosto, ontem vi um jogo que certamente não foi o da minha equipa. Pelo menos, não daquela equipa dedicada, lutadora e concretizadora que conheço.

O que vi foi um grupo de jogadores e não uma equipa, pouco ligados, completamente desorientados, tentando jogar cada um para seu lado e, sobretudo, tentando de alguma forma chutar a bola... pouco importava como e para onde.

Vi um Liedson que, ainda que lutador, está longe da excelente forma a que nos habituou. Um Yannick que, como era previsível, foi um jogador a menos na equipa na posição que ocupou, incapaz de dominar a bola e construir jogo. Um Matías sem nada para mostrar. Um André Marques sem capacidade para jogar a titular. Um Abel... enfim, o Abel do costume. Esse, pelo menos, já não nos engana. Não esperamos mais dele. E, apesar de tudo, ainda fez um bom corte, que poderia ter dado origem a golo do adversário.

Pontos positivos? Não muitos. Ainda assim, Moutinho nunca se entregou, Miguel Veloso foi bom a distribuir jogo, Caicedo surpreendeu com a sua positiva vontade de ganhar.

E Patrício fez aquilo que faltou a todos os outros: acreditar! Foi com determinação e uma incontida vontade de seguir na Champions, que Rui Patrício deixou os seus terrenos e subiu até à baliza adversária para mostrar como se faz. Foi perícia, mestria, saber-fazer? Provavelmente não. Teve muito de sorte, é certo. Mas, ainda assim, serviu para envergonhar todos os restantes 10 jogadores que estiveram a brincar durante 89 minutos mais 5 de compensação, absolutamente incapazes de virar um jogo após o golo do 1º minuto. Inadmissível.

Quanto aos rostos "mutilados" da equipa do Twente? Também não me metem dó. Limitaram-se a fazer um ridículo anti-jogo, pelo que mereciam tanto ganhar como o Sporting. Além disso, quem se limita a defender e a deixar o tempo passar, corre sempre o risco de ver a coisa correr mal.

Gosto do meu clube e sei que estou condenada a sofrer. Ainda assim quero ver mais. Quero ver os jogadores a sofrerem também por um resultado, a lutar por ele. Onde está a garra do leão? Baixar os braços não é, certamente, a solução. Obrigada, Rui, pelo aroma da esperança que deixaste ontem em campo!!!

publicado por Vânia Caldeira às 11:56
tags:

22
Mar 09

 

Há dias em que fico triste com o futebol português. Demasiado triste. Erros inadmissíveis. Um assistente que não vê. Um árbitro que não hesita em ver o que não há e marcar o que não é. Um jogador revoltado que terá de se cingir à sua revolta porque, no fim, não há nada a fazer. Uma medalha atirada fora (e com razão!). Uma taça que foi levada pelo clube errado. E mais uma injustiça a juntar à lista.

 

O menos mal? Pelo menos o Sr. Lucílio teve a decência de assumir o erro. Perante as atitudes execráveis dos árbitros portugueses, já é qualquer coisa...

publicado por Vânia Caldeira às 20:20
tags:

09
Ago 08

 

Já tenho a Gamebox nas minhas mãos... Alvalade aí vou eu!

 

SPORTING! EU QUERO!

publicado por Vânia Caldeira às 14:41

03
Ago 08

 

"Drama! Horror! Tragédia! Ui! O Moutinho quer sair! E agora? A equipa sente-se traída! Os adeptos, revoltados! (...) Não vejo qual é o problema. O Moutinho quer sair. É natural. O Sporting quer que ele fique. Naturalíssimo. O Moutinho tem um contrato, o Sporting quer cumpri-lo. Fica, ponto final.

Às vezes julgo que sou íntimo do Moutinho. Nos últimos cinco anos acompanhei mais o trabalho dele do que o dos meus irmãos. Preocupo-me mais com a sua saúde do que com a dos meus amigos. Vi-o mais vezes em tronco nu ao vivo, no fim dos jogos, do que vi mulheres, caramba! Mas a verdade é que nem o conheço. Só como é em campo: valente, lutador e leal. Portanto, não me posso sentir pessoalmente traído pelo Moutinho, se ele se quer ir embora.

Nem eu, nem os sportinguistas. Embora nos apeteça. O Moutinho não nos deve nada. O Moutinho não deve nada ao Sporting. Tudo o que o Sporting investiu no Moutinho foi pago em campo. Com o centro do primeiro golo contra o Newcastle. Ou com o golo contra o Sporting de Braga que garantiu a Liga dos Campeões, ou com a exibição sublime contra o Benfica, para a Taça. Mas o Sporting também não deve nada ao Moutinho. Há jogadores a quem devemos, como ao Manuel Fernandes. Há outros que nos ficam a dever, como o Bueno. Não é o caso do Moutinho. Estamos de contas saldadas. A maneira como ele disse que queria sair é um pormenor. Vale é o contrato. (...)

Quem acha que o Moutinho vai amuar e render pouco, nunca o viu em campo. Não é preciso conhecê-lo pessoalmente para saber isso, basta tê-lo visto jogar."

 

Zé Diogo Quintela in "A minha fé" - Jornal "A Bola"

 

 

O Zé Diogo não podia ter mais razão nesta crónica. Os assobios que ontem se fizeram ouvir ao capitão não foram justos. Por tudo aquilo que ele sempre nos deu, por se entregar sempre em campo. Mesmo que as palavras não tenham sido as mais bonitas, o que conta são as atitudes no relvado. E aí o "puto-maravilha" é imparável e, ficando no Sporting, continuará a entregar-se ao clube de corpo e alma, como sempre o fez. Continuará a fazer exibições que envergonharão todos aqueles que ontem não souberam respeitar o nosso capitão. E que serão motivo de muitos mais aplausos (que aliás, ontem, também abundaram).  A equipa já mostrou estar com João Moutinho: viram-se sorrisos sinceros, incentivos e actos de companheirismo. Viu-se Polga entregar com orgulho a braçadeira de capitão a Moutinho. No jogo de apresentação, Moutinho conseguiu dividir Alvalade entre os aplausos e os assobios. Nos jogos desta época conseguirá, certamente, com o seu enorme espírito, unir a equipa, enquanto capitão, e unir todos os sportinguistas perante os seus inquestionáveis talento e entrega. É tudo uma questão de tempo. Boa sorte, João! 

publicado por Vânia Caldeira às 10:31

17
Abr 08


Que grande jogo! E magnífico resultado!
Grandes leões ;) Obrigada por tantas emoções e alegrias!

SPORTING 5 - 3 SLB
Só estes dois homens para chorar por um clube! Adoro-vos!!!
publicado por Vânia Caldeira às 22:15
tags:

12
Ago 07
publicado por Vânia Caldeira às 22:08
tags: ,

19
Jul 07

 

Os novos leões já treinam:

 

Izmailov

 

 

Gladstone e o craque Liedson

 

 

Vukcevic

 

 

publicado por Vânia Caldeira às 21:24
tags:

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO