Para sonhadores... Deixem-se levar... O blog mudou de cores, mas os sonhos são os mesmos...

08
Jul 08

publicado por Vânia Caldeira às 11:34
tags:

22
Mar 08


Estás longe mas, simultaneamente, tão perto. Nesta noite fria, em que o duro vento bate nas janelas as suas mágoas e a sua revolta, procuro imaginar-te. Olho o meu quarto, a minha cama, a minha estante, o meu roupeiro, as minhas coisas... E imagino-te, algures num outro quarto, de decoração bem distinta, com a tua cama, as tuas coisas... Penso que aí talvez esteja mais frio e que a humidade não te dê tréguas.
Estás a muitos quilómetros de distância, mas crio no meu pensamento a tua imagem, uma imagem tão fiel, tão presente, como se estivesses apenas a escassos metros, num quarto contíguo ao meu, bem aqui ao lado.
O telemóvel anuncia a chegada de notícias tuas e tento construir na minha mente o momento em que as escreveste. Pinto esse momento em que te lembraste de mim. Momento em que decidiste que não me deixarias esquecer-me de ti. Não hoje. Mas eu não me esquecera...
Sinto-te tão presente como o vendaval que teima em abordar a minha janela, tão perto como os lençóis que cobrem o frio do meu corpo, tão meu quanto este quarto e estas coisas.
Agora vou entregar-me ao mundo dos sonhos, universo maravilhoso esse, onde espero encontrar-te... Até já.
publicado por Vânia Caldeira às 23:55
tags: ,

28
Jan 08

 

Sempre gostei de desenhos animados. Com a idade, essa faceta não se perdeu, como parte da minha "pseudo-ingenuidade". Continuo a adorar as histórias dos mais pequenos.

O último filme que tive oportunidade de ver foi o "Ratatouille" que conta a história de um ratinho com um sentido do gosto particularmente apurado e que sonha ser cozinheiro. Insólito, no mínimo. Talvez inofensivo para as crianças, que acharão o ratinho muito querido e ficarão contentes com o seu triunfo final...

Mas é como uma verdadeira facada para nós, mais velhos... Um despertar para a realidade. Ao contrário do pequeno Remy desistimos depressa do que queremos. Há tantas coisas na nossa vida que pomos imediatamente de parte, que excluímos do universo das possibilidades apenas porque está num nível de dificuldade superior, apenas porque roça o impossível, apenas porque exige mais de nós. Por vezes, exige um esforço extra, mais trabalho, mais dedicação, ... mas, sobretudo, exige que acreditemos que é possível. Que acreditemos no nosso potencial! E esse é, muitas vezes, o passo paralisante, o passo que nos prende a um mundo pré-fabricado onde nos limitamos a esperar que as coisas apareçam feitas.

No filme, curiosamente, a determinada altura o pequeno Remy inveja os humanos... e imagine-se porquê:

 

 

"Eles não se limitam a sobreviver... eles criam, inventam."

 

Infelizmente nem sempre isto é verdade. No mundo do pragmatismo, o nosso, esquecemo-nos muitas vezes de sonhar, de criar, de tornar possível... E caímos na monotonia, limitando-nos a sobreviver a mais um dia, como se pelo simples acto de respirar merecessemos um prémio.

 

É urgente acreditar na nossa força de poder, de conseguir, de construir ou de simplesmente ser! Temos de nos lembrar que só podemos acreditar nos nossos sonhos, depois de acreditarmos em nós mesmos. E esse é, certamente, o passo determinante para alcançar a tão desejada felicidade que, não só não é um mito (como muitos afirmam), como também não está ao virar da esquina... mas ao longo do caminho que percorremos para lá chegar!

 

publicado por Vânia Caldeira às 19:53

20
Abr 07

 

  Existem pessoas que se destacam pelo seu carisma e pela força do seu carácter...

  Amigos que sabem transformar um dia cinzento num dia alegre...

  Que sabem respeitar as nossas escolhas e o que somos...

  Que sabem aliviar o ambiente em momentos de tensão...

  Que sabem acrescentar animação e alegria numa reunião de amigos...

  Que sabem preservar as amizades e criar  fortes elos de ligação.

  Por seres uma das pessoas com esse dom,

o facto de fazeres parte da minha vida

é motivo de grande satisfação e maior orgulho para mim!

  Penso que os nossos sonhos só alcançam a sua expressão máxima no

italiano - "sogno nel cassetto", ou seja, "sonho na gaveta". Há poucos meses

também eu tive de guardar o meu sonho na gaveta do armário da vida

sobre o qual assentou o pó da desilusão. Todos nós temos sonhos na gaveta!

Espero que nunca te falte a coragem de reabrir essas gavetas

e deixar os teus sonhos fugir rumo à sua concretização!

 

Dedicado a todos os meus queridos amigos... que felizmente são muitos!!!

 

publicado por Vânia Caldeira às 09:26
sinto-me:

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO