Para sonhadores... Deixem-se levar... O blog mudou de cores, mas os sonhos são os mesmos...

05
Abr 09

 

Número mágico? Talvez não. Idade especial? Não creio. Momentos inesquecíveis? Sem dúvida.

Mais importante do que o facto de estar um ano mais velha, é a oportunidade de reunir amigos, de estar com eles e de saber que, apesar de a falta de tempo muitas vezes impor o seu ritmo, os fortes laços de amizade não se perdem. Reviver as velhas histórias e contar as novas. Rir, com a deliciosa certeza de se estar entre os nossos, única e somente entre aqueles que, de alguma forma, são especiais. Ritual libertador e precioso que se repete a cada ano. Com aqueles que marcaram e marcam parte da nossa própria história. Da minha história. Que são indeléveis impressões digitais na minha pele, no meu toque, na minha vida.

Amigos. A todos vocês, aos que estiveram e aos que não puderam (mas que "estão" lá sempre), obrigada por cada pequeno grande momento. Por cada recordação, por cada sorriso, por cada gesto, por tudo. Obrigada pela maravilhosa noite de ontem. E, sobretudo, obrigada por gostarem de mim. (Eu sei que não é fácil.)

 

Adoro-vos!

Vânia

publicado por Vânia Caldeira às 15:11
tags:

07
Jul 08

 

Gosto de certezas... garantias estáveis que nos dêem algum sentido adicional à vida. A amizade é, sem dúvida, uma dessas certezas que pintam a nossa vida com os tons da felicidade.

É delicioso ter amigos, verdadeiros amigos. Amigos como todos os bons amigos deveriam ser: sinceros e honestos, dedicados e presentes, autênticos e divertidos.

Essa aclamada prática da amizade surge, a cada momento, numa gargalhada entusiasmada, num gesto de carinho ou numa palavra de conforto. Mas, sobretudo, o melhor nessa coisa da amizade são as necessárias certezas. A certeza de que os verdadeiros amigos estarão lá (onde quer que isso seja) quando eu mais precisar e apesar das nossas inevitáveis diferenças. Saber que tanto estão lá para ir à praia, às compras ou para a "night", como estão lá se eu precisar de chorar, desabafar, de um abraço apertado ou de um olhar de compreensão. Da mesma forma que eu estarei lá para eles. Hoje e sempre. Porque os adoro, porque são únicos e especiais, porque são parte indissociável da minha existência.

São os meus amigos que delimitam um espaço especial em mim, o da realização plena das minhas capacidades e daquilo que sou, esse espaço onde sei que acreditam em mim e onde sei que posso confiar inteiramente neles. Porque entre amigos não há medos, vergonhas ou orgulhos. Há segurança, humildade e autenticidade. Entre os meus amigos nasce e vive, a cada momento, o melhor de mim.

Obrigada por me darem a certeza de que, mesmo daqui a 10, 20 ou 30 anos, e por mais que com o passar dos anos as relações e as nossas vidas se alterem, vocês estarão lá. Poucos, mas bons. Os de ontem e os de hoje mas, sobretudo, os de amanhã. Os melhores. Os meus. Obrigada verdadeiros amigos.

publicado por Vânia Caldeira às 09:01
tags: , ,

17
Dez 07


 

A Internet facilita indubitavelmente muitas coisas: facilita as rápidas comunicações, faz-nos estar sempre mais perto daqueles de quem gostamos, estarmos mais presentes nas vidas dos outros, informarmo-nos rapidamente acerca de qualquer dúvida, põe-nos em contacto directo com o mundo...

No entanto, também tira a magia a alguns prazeres.

Por um lado, torna tudo mais impessoal. As pessoas perdem a coragem de dizer olhos nos olhos o que sentem, preferindo um teclado e um ecrã como barreira filtradora de medos, vergonhas, angústias e incertezas.

Na Internet tudo é mais fácil. É mais fácil dizer o que se pensa mas não se consegue dizer frente a frente; e, sobretudo, é mais fácil dizer o que não se pensa e só se diz por jeito ou simpatia. A mentira é vulgar, a ilusão uma constante.

Os e-mails estão longe de ter a magia das cartas. Primeiro, não há comparação entre a sensação de ouvir o sinal de chegada de correio electrónico e o abrir da caixa de correio, o acto de pegar na correspondência, verificar o remetente e abri-la na expectativa do que se poderá encontrar no seu interior. A maior intimidade conferida por uma caligrafia que não os caracteres do teclado é outro pormenor que confere vida a cada carta, individualidade a cada mensagem.

É por isso que nesta quadra tão festiva, e para mim tão especial, não me privo deste pequeno luxo da correspondência. Todo o processo é demorado, nem sempre há muito tempo, mas só a dedicação com que me entrego e o gozo que me dá... compensa. Começo por comprar os cerca de trinta postais de Natal, depois escolho um poema ou uma frase de acordo com a época natalícia e, por fim, personalizo cada mensagem. Nunca me deixo cair na monotonia de escrever uma mensagem padrão. Cada postal tem uma mensagem dedicada a cada amigo, aos momentos que vivemos juntos, aos segredos que partilhamos, ao afecto que nos une...

Além de escrevê-los, é também muito agradável receber os postais. Todos diferentes, todos simbolizando uma amizade especial, lembrando lugares, recordando outros tempos, muitas vivências... Traduzindo afectos, esses laços invisíveis que nos unem inexoravelmente uns aos outros e nos apertam de um calor humano que, no entanto, parece obra dos deuses. Transmitindo desejos, carregados de verdade e autenticidade.

Adoro esta época do ano. Porque é época de recordar, visitar, presentear amigos que o tempo, ou a falta dele, obriga a (quase) esquecer ao longo do resto do ano. No Natal não há desculpas, nem barreiras... a amizade fala sempre mais alto!


01
Dez 07
publicado por Vânia Caldeira às 20:19

20
Abr 07

 

  Existem pessoas que se destacam pelo seu carisma e pela força do seu carácter...

  Amigos que sabem transformar um dia cinzento num dia alegre...

  Que sabem respeitar as nossas escolhas e o que somos...

  Que sabem aliviar o ambiente em momentos de tensão...

  Que sabem acrescentar animação e alegria numa reunião de amigos...

  Que sabem preservar as amizades e criar  fortes elos de ligação.

  Por seres uma das pessoas com esse dom,

o facto de fazeres parte da minha vida

é motivo de grande satisfação e maior orgulho para mim!

  Penso que os nossos sonhos só alcançam a sua expressão máxima no

italiano - "sogno nel cassetto", ou seja, "sonho na gaveta". Há poucos meses

também eu tive de guardar o meu sonho na gaveta do armário da vida

sobre o qual assentou o pó da desilusão. Todos nós temos sonhos na gaveta!

Espero que nunca te falte a coragem de reabrir essas gavetas

e deixar os teus sonhos fugir rumo à sua concretização!

 

Dedicado a todos os meus queridos amigos... que felizmente são muitos!!!

 

publicado por Vânia Caldeira às 09:26
sinto-me:

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO