Para sonhadores... Deixem-se levar... O blog mudou de cores, mas os sonhos são os mesmos...

04
Mai 08



Um dia disseram-se que certas coisas eram para toda a vida. Não acreditei.

Também me tentaram explicar que alguns sentimentos são eternos e que não há motivo para termos medo de nos comprometermos com eles e com o absoluto com que nos absorvem. O meu cepticismo relutante voltou a não ceder.

Quiseram convencer-me que nem tudo pode ser explicado, nem tudo tem uma razão ou um determinado começo. Que certas coisas simplesmente existem, limitam-se a ser assim. Duvidei.

Li algures que a felicidade plena era possível. Dei uma gargalhada desconfiada.

Ouvi dizer que o amor condicional, a completa entrega, a confiança absoluta eram reais. E voltei a hesitar.

 

Só então percebi que tudo isso existia na minha vida e em todas as suas variadas formas de amor, ele apenas te camuflava a ti, Mãe.

Eterna amiga, fiel companheira. Porque és o meu único porto de abrigo seguro, a única certeza que posso sempre ter, a única presença plena, a única verdade absoluta.

Obrigada por tudo o que és, por tudo o que dás de ti, por tudo de bom que criaste em mim, por tudo o que sou.

Desculpa se apenas te digo estas coisas hoje, desculpa se não esclareço o meu amor por ti tantas vezes como merecerias. Desculpa as palavras de carinho e gratidão que se tornam pleonásticas e a ausência de novas capazes de te descrever.

Porque mais um ano passou, mas o nosso amor continua igual. Hoje e sempre.

Adoro-te, Mãe!

publicado por Vânia Caldeira às 08:28
tags:

Muitos beijinhos. ADORO-TE, minha querida...
Anónimo a 4 de Maio de 2008 às 21:59

Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO