Para sonhadores... Deixem-se levar... O blog mudou de cores, mas os sonhos são os mesmos...

27
Mai 07

 

TAÇA DE PORTUGAL 2006/07

 

A Taça já é nossa... Vocês mereciam levantá-la em braços!

Mais uma vez cumpriu-se o lema "esforço, dedicação, devoção e glória" levaram-vos à vitória.

Sofremos e continuaremos a sofrer porque, no fim, vale sempre a pena!

Obrigada por nos fazerem sonhar, obrigada por concretizarem os nossos sonhos!

Para já a festa e para o ano, se tudo correr bem, o título!

Sporting sempre, venha quem vier!

 

publicado por Vânia Caldeira às 20:41
tags: ,

É impressionante como os hábitos nos preenchem. Inicialmente representam uma felicidade aparente, mas acabam por prender-nos a uma comodidade mordaz. E essa comodidade aprisiona-nos no medo de mudar. Porque só sabemos fazer as coisas de uma forma.

Porque tudo o que faço tem sempre uma ordem habitual, um local habitual, companhia habitual, ... Claro que tenho os meus devaneios. Uma vez por outra gosto de cometer uma loucura, de não pensar, de fazer na mesma... Gosto de quebrar a rotina, de provar a esses hábitos que eles não me dominam. E e óptimo sentir a liberdade nos lábios nesses momentos.

Mas, apesar da intensidade desses voos, nada há de melhor do que sentir o chão firme. Ter segurança, ter certezas,... E, quando menos esperamos, dum momento para o outro, a nossa vida muda radicalmente.

Não pedi que ela mudasse assim, nada fiz para que acontecesse... E da mesma forma, nada posso fazer para o impedir. É difícil mudar, é difícil perder os hábitos que adquiri ao longo dos anos. Mas é inevitável. Opor-me a esta mudança, criticá-la seria uma clara demonstração de egoísmo. Por isso confiro-me ao silêncio e procuro a forma de não pensar nisso, muitas vezes em vão.

Hoje é o último dia. As coisas vão mudar.

Quantas vezes me irá o hábito enganar daqui em diante?

Quantas vezes me irei enganar no trajecto para ir almoçar, quantas vezes ligarei para o número errado, quantas vezes falarei em coisas que não existem mais.

Dizem que nunca é tarde para mudar. Eu acho que é demasiado cedo.

"It's a new beginning" tal como no Apocalyto do Mel Gibson...

Não estou pronta, mas também nunca o estaria.

Vou tentar não pensar nisso, mesmo que em vão.

E esperar que o Sporting sempre vença a Taça.

publicado por Vânia Caldeira às 11:22
tags:

19
Mai 07

UNIVERSIDADE DE LISBOA - FACULDADE DE LETRAS

 

Querido Francisco,

ao longo destes anos de curso, as tuas histórias, os teus sucessos, as tuas memórias têm sido escritas com as Letras a que sempre  te dedicaste.

No entanto, agora que alcanças esta meta e com ela uma nova etapa da tua vida, é importante que nunca te esqueças que o livro não se fechou. Ele continua aberto à espera que o deixes continuar a escrever as Letras de felicidade da tua vida.

Querido padrinho, querido amigo...

A  caminhada que tens percorrido está agora a chegar ao fim.

Apesar de eu ter deixado a nossa grande faculdade de Letras, serás sempre o meu padrinho, o meu eterno padrinho de Letras.

E por muito que  tenha aprendido na faculdade de Letras, só hoje compreendo que apesar da enorme beleza e da essência das palavras, elas estão longe de traduzir o sentimento que nutro por ti.

Quero que saibas que podes sempre contar comigo, estarei sempre aqui.

Parabéns por este sonho concretizado!

Da tua afilhada, o desejo de muito sucesso profissional.

Da tua amiga, a esperança de que deixes sempre prevalecer a tua boa disposição e amizade, a sensatez e determinação que te levarão certamente a inúmeros novos mundos, a promissoras novas conquistas.

 

                                                 Grande Beijo

                                                                  Vânia Caldeira

 

                                   "És melhor do que tu!

                                     Não digas nada. Sê!"

                                                      

    Fernando Pessoa

 

publicado por Vânia Caldeira às 00:30
sinto-me:

14
Mai 07

Na passada 5ª feira, 3 de Maio, desapareceu uma menina inglesa na Praia da Luz no Algarve e desde esse dia, o seu pequeno e lindo rosto, os seus grandes olhos verdes e cabelos loiros fazem parte inevitável do nosso dia-a-dia.

Na Internet, nos jornais e revistas, nos noticiários, nas montras e portas das lojas, em todos os locais, a mensagem é constante: “Alguém viu esta menina?”

A Madeleine, o seu lindo nome prometia-lhe uma história mais bonita, talvez um conto de fadas. O destino, porém, pregou-lhe uma partida.

Toda a população da Praia da Luz sofre com a família McCann. E todos querem ajudar, há uma angústia partilhada que une portugueses e ingleses, tudo pela pequena Maddie.

Mas afinal onde está Madeleine?

Essa é a informação que os pais da menina, que faz hoje 4 anos, mais querem ouvir das forças policiais portuguesas.

Esta horrível história cujo final ainda está por escrever tem, no entanto, coisas muito bonitas para se contar. Apesar dos comentários negativos relativamente à PJ portuguesa, tecidos por ingleses, uma coisa parece evidente: as forças policiais portiguesas têm feito tudo o que está ao seu alcance em busca da pequena Maddie. Como um elemento da PJ disse:

 

“Todos nós temos filhos e familiares com idades semelhantes à de Madeleine. Todos nós queremos muito encontrar a Maddie! Neste momento é como se ela fosse nossa filha.”

 

Nunca a PJ mobilizou tantos meios numa operação de resgate de um desaparecido. Nem quando Joana Cipriano desapareceu há 3 anos também no Algarve e muito menos quando o Rui Pedro foi raptado à porta de casa em Lousada (1998).

A trabalhar no presumível rapto estão 130 investigadores, a brigada de homicídios e crimes sexuais. Muita polémica tem sido criada em torno desta tão grande mobilização de recursos. Em parte penso que isto só se verifica por se tratar de uma criança inglesa. Há quem julgue que os motivos se prendem com o medo da forma como este caso pode afectar o turismo português. Mas prefiro acreditar que a PJ tem evoluído nestes últimos anos e que está agora mais capaz de intervir e com mais reforços nestes casos.

A PJ tem-se deparado com o problema dos exigentes meios de comunicação social britânica, habituados a uma participação mais activa nestes casos. Em Portugal, a relação não é nem de longe tão aberta e o segredo é considerado importante na sequência das investigações.

Começa a ganhar força a hipótese de rapto para uma rede pedófila ou para adopção ilegal. Nos últimos dias surgiram os primeiros sinais de desânimo nas equipas de busca no terreno.

Todo o país está sensibilizado com a história da menina de 4 anos. Além de inúmeros anúncios espalhados pelo país, na Praia da Luz, os turistas colocaram inúmeros laços amarelos em sinal da esperança de que Maddie volte; também as figuras públicas têm feito apelos à população, depois de Cristiano Ronaldo, também David Beckham aderiu a esta causa (e representam, em conjunto, o desespero de duas nações unidas em busca de Maddie); 600 Motards do Clube da Praia da Luz ofereceram-se para correr o país de lés a lés em busca de Maddie; um grupo de soldados voluntáriou-se para procurar a menina de ultra-leve. A colaboração da população tem sido enorme. A PJ tem recebido inúmeras chamadas telefónicas, mas também chuchas, roupas e brinquedos de criança, apanhados um pouco por todo o lado.

Os pais de Madeleine continuam a aparecer publicamente para que a filha não caia no esquecimento. São comuns as suas declarações em que agradecem tudo o que as forças da polícia têm feito e o enorme apoio das pessoas.

 

“Estamos optimistas e concentrados na investigação.”

Gerry McCann

 

Apesar do ar convicto com que o pai faz esta declaração, os olhos banhados em lágrimas de Kate, o seu rosto claramente transtornado e sofrido, escondido nos cabelos loiros despenteados não engana ninguém. A esperança começa a morrer e o desânimo a tomar conta da mãe de Maddie. O facto de as operações de busca terem cessado levou as últimas forças de Kate. Ao fim destes 9 dias do desaparecimento da filha, deixa de ser a menina a fazer as capas da imprensa, que passam a dar relevo à mãe, visivelmente mais magra e abatida, não conseguindo evitar as lágrimas. Kate espelha o sofrimento amargo de uma mãe cuja filha desaparece. Não larga o peluche favorito de Maddie, um gato cor de rosa, onde quer que apareça. Kate e Gerry reduzem as suas saídas à igreja, à piscina ou à creche com os gémeos de 2 anos, Sean e Amelie.

Apesar dos esforços para encontrar Madeleine superarem todos os outros sentimentos, há, na população portuguesa, um sentimento residual de culpabilização da negligência dos pais. Os turistas ingleses defendem os pais, alegando que é um hábito britânico deixar os filhos sozinhos em casa.

 

“Como é que um casal de dois médicos ingleses deixa três filhos de 2 e 3 anos de idade sozinhos em casa, para ir jantar ao lado, num restaurante? Ninguém, como é natural, poderá condenar a negligência dos pais a mais do que a terrível dor que eles devem estar a viver e que viverão o resto da vida (mesmo que tudo ainda acabe bem), mas o respeito por essa dor não pode também servir de mecanismo de transposição de responsabilidades para cima do elo mais fraco e apetecível para os tablóides ingleses que é a nossa polícia.”

Miguel Sousa Tavares

 

Esperemos que esta história, com o belo nome de Madeleine, tenha um final feliz. Uma coisa é certa: nunca esqueceremos os lindos olhos verdes e cabelos loiros de Maddie e a angústia da família McCann.

Vânia Caldeira

P.S. Se viu esta menina contacte: 218641000, 282762930 ou 282405400

publicado por Vânia Caldeira às 15:56
tags:

06
Mai 07

Obrigada por me teres concebido menina, me teres formado mulher.

Obrigada por todos os sonhos -

os teus que em mim projectaste,

os meus que sempre realizaste -

a minha doçura reflecte a tua,

o verde dos meus olhos espelha os teus,

os encantos, os cabelos, os espantos

são o tesouro que herdei e herdo a cada dia,

que vivo em cada momento.

Por mais fascinantes que sejam as minhas palavras,

não encontro as certas para te descrever.

Mas sei tudo o que és, tudo o que significas,

para mim, como mãe, como amiga!

Preciso de ti a meu lado em cada momento da minha vida.

Preciso de ti,

luz que guia o meu caminho,

força que estimula o meu ser,

coração que sofre com o meu,

minha mãe, minha amiga.

Quero flores, quero rosas, quero tudo o que vier,

porque há uma certeza que flui em mim,

a certeza de que posso ser quem eu quiser,

que mereço este mundo e o outro,

a ambição de uma felicidade prometida.

O que me ensinaste? Uma vida.

E por ti

nunca deixarei de sonhar

e de travar contendas pelos meus ideais,

descobrir mistérios,

agarrar a vida com garras de determinação,

desvendar segredos, viver fantasias, arcanos, planos, utopias…

Viver de adornos e de magias.

Nunca deixarei de contemplar as Letras, vivê-las intensamente, cada livro, cada linha, cada palavra...

Nunca deixarei de escrever as minhas próprias letras, a minha própria vida.

Dedicarei o que sou à Medicina, procurarei com ela tornar este mundo melhor...

E tudo isto é meu e teu... é nosso.

Nossa conquista, nosso troféu, nossa vida, nosso amor!

Onde sou princesa, tu és rainha.

Onde sou jóia, tu és tesouro!

Se sou flor, és o meu jardim!

Minha mãe, minha querida amiga!

Porque me fizeste mulher de menina,

Porque me fizeste uma vez menina,

porque sem ti seria um nada

Um sincero e profundo obrigada!

 

"O tempo que passa não passa depressa.

O que passa depressa é o tempo que passou."

Vergílio Ferreira

Vânia Caldeira

publicado por Vânia Caldeira às 10:59
tags: ,

04
Mai 07

 

MUITOS PARABÉNS FRANCISCO!

 

Finalmente 19 anos... e ficas um pouco menos "puto", um pouco mais experiente. Ou talvez não...

Neste dia especial, embora pudesse ser em qualquer outro, não podia deixar de te dar os parabéns e de escrever-te uma pequena dedicatória neste blog, já que te aturo dia após dia... Sabes que não resisto à minha "veia literária", uma daquelas que não estudamos em Anatomia.

Menino de caracóis, "puffzinho" de olhos azuis (ou serão verdes?), sempre distraído, sempre a precisar de alguém omnipresente (como eu!) que te recorde e informe de tudo.

És uma pessoa extraordinária, apesar de tudo isso ou talvez graças a tudo isso.

Tornas a minha vida mais alegre em cada dia, com cada ideia, cada teoria, cada gargalhada, ...

Mesmo quando repetes dez vezes a palavra "basicamente" durante uma apresentação de anatomia. Mesmo depois do que te aturei nas Olimpíadas.

É sempre um prazer aturar-te. Porque cada pedaço do que és... é especial! É diferente!

Então e nas Olimpíadas? Recordo o teu ar de miúdo quando viste uma bola no chão do quarto e a festa que fizeste com a mesma bola. Ou quando te lembraste de ir dar um "passeio" às 4 da manhã. As tuas sempre oportunas piadas durante os jantares no teu quarto, a emoção com que vivemos o grande derby (e o meu clube merecia ganhar!) ou quando te esquecias de dizer Uno a jogar às cartas...

E perante todas essas recordações... sorrio! É inevitável! Mesmo depois das barbaridades que tive de ouvir acerca dos "nossos amigos", durante todas as Olimpíadas. Um por causa dos fungos, outro por causa do tamanho. O que tu implicaste com eles.

Tudo isso és tu...

Posso afirmar que já te conheço o suficiente para que certas reacções, certos olhares, certos comportamentos se tornem previsíveis e decifráveis. Mas espero conhecer sempre mais, descobrir-te a cada dia, compreender-te em cada momento.

És um óptimo amigo. Preocupado, sincero, meigo, doce, brincalhão... já reparaste que quando estou contigo estou sempre a rir? Quando estou triste consegues roubar-me um sorriso, se estou irritada acalmas-me, ... Também adoro quando te atrapalhas e não sabes como sair do novelo que criaste. No teu olhar encontro o conforto, a alegria e compreensão de que muitas vezes preciso.

Parabéns por tudo o que és, mas sobretudo obrigada!

Desejo-te tudo o que tu próprio desejas: sempre o melhor que o mundo tiver para te dar. E sei que serás sempre capaz de alcançar os teus objectivos, com mérito e sucesso.

Claro que continuarei por perto para te lembrar as datas dos testes, avisar dos dias em que não há aulas e, tu sabes, para muito mais que isso. Estarei sempre aqui para tudo o que precisares. Nunca hesites em procurar-me.

Hoje somos colegas e amigos de curso, amanhã seremos certamente colegas de muitas vitórias, muitas realizações e, por fim, colegas de carreira.

Já sabes que não te quero perder nunca de vista para poder constatar, não o teu sucesso (do qual não duvido), mas as tuas semelhanças com o Clooney ou mesmo com o Hugh Laurie (e disso já duvido um pouco, apesar das tuas certezas).

A curto prazo, desejo-te um óptimo dia de aniversário, com muitas boas surpresas, muita diversão e alegria e espero apenas ver-te na segunda-feira, quem sabe se sem caracóis (e sinceramente espero que os mantenhas), para continuarmos a percorrer a longa e rica caminhada que nos levará, esperamos nós, à realização pessoal e à felicidade.

 

 

 

"Para que percorres inutilmente o céu inteiro

à procura da tua estrela? Põe-na lá."

Vergílio Ferreira

publicado por Vânia Caldeira às 00:15
sinto-me:
tags:

Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

28
29
30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO