Para sonhadores... Deixem-se levar... O blog mudou de cores, mas os sonhos são os mesmos...

23
Mar 07

"É noite. A noite é muito escura. Numa casa a uma grande distância
Brilha a luz duma janela.
Vejo-a, e sinto-me humano dos pés à cabeça.
É curioso que toda a vida do indivíduo que ali mora, e que não sei quem é,
Atrai-me só por essa luz vista de longe.
Sem dúvida que a vida dele é real e ele tem cara, gestos, família e profissão.

Mas agora só me importa a luz da janela dele.
Apesar de a luz estar ali por ele a ter acendido,
A luz é a realidade imediata para mim.
Eu nunca passo para além da realidade imediata.
Para além da realidade imediata não há nada.
Se eu, de onde estou, só veio aquela luz,
Em relação à distância onde estou há só aquela luz.
O homem e a família dele são reais do lado de lá da janela.
Eu estou do lado de cá, a uma grande distância.
A luz apagou-se.
Que me importa que o homem continue a existir?"

Alberto Caeiro

publicado por Vânia Caldeira às 23:20
tags:

"My shattered dreams and broken heart
Are mending on the shelf
I saw you holding hands
Standing close to someone else
Now I sit all alone
Wishing all my feeling was gone
I gave my best to you
Nothing for me to do

But I've one last cry
One last cry
Before I leave it all behind
I've gotta put you out of my mind this time
Stop living a lie I guess
I'm down to my last cry

I was here, you were there
Guess we never could agree
While the sun shines on you
I need some love to rain on me
Still I sit all alone
Wishing all my feeling was gone
Gotta get over you
Nothing for me to do

But I´ve one last cry
One last cry
Before I leave it all behind
I've gotta put you out of my mind this time
Stop living a lie

I know I’ve gotta be strong
‘Cause ‘round me life goes on and on and on and on

But I've one last cry
One last cry
Before I leave it all behind
I've gotta put you out of my mind for the very last time
Been living a lie
I guess I'm down
I guess I'm down
I guess I'm down
To my last cry"

publicado por Vânia Caldeira às 23:05
sinto-me:
tags:

21
Mar 07

QUEM ÉS TU?

"Quem és tu que assim vens pela noite adiante,
Pisando o luar branco dos caminhos,
Sob o rumor das folhas inspiradas?

A perfeição nasce do eco dos teus passos,
E a tua presença acorda a plenitude
A que as coisas tinham sido destinadas.

A história da noite é o gesto dos teus braços,
O ardor do vento a tua juventude,
E o teu andar é a beleza das estradas."

Sophia de Mello Breyner



É URGENTE O AMOR

É urgente o amor

É urgente um barco no mar.

 

É urgente destruir certas palavras,

Ódio, solidão e crueldade,

alguns lamentos,

muitas espadas.

 

É urgente inventar alegria,

Multiplicar os beijos, as searas,

é urgente descobrir rosas e risos

e manhãs claras.

 

Cai o silêncio no pano e a luz

impura, até doer.

É urgente o amor, é urgente

permanecer.

Eugénio de Andrade

TENHO DÓ DAS ESTRELAS

Tenho dó das estrelas

Luzindo há tanto tempo,

Há tanto tempo…

Tenho dó delas.

Não haverá um cansaço

Das coisas,

De todas as coisas

Como das pernas ou de um braço?

Um cansaço de existir,

De ser,

Só de ser,

O ser triste brilhar ou sorrir…

Não haverá, enfim,

Para as coisas que são,

Não morte, mas sim

Uma outra espécie de fim,

Ou uma grande razão –

Qualquer coisa assim

Como um perdão?

Fernando Pessoa

EM TODAS AS RUAS TE ENCONTRO

Em todas as ruas te encontro

Em todas as ruas te perco

conheço tão bem o teu corpo

sonhei tanto a tua figura

que é de olhos fechados que eu ando

a limitar a tua altura

e bebo a água e sorvo o ar

que te atravessou a cintura

tanto, tão perto, tão real

que o meu corpo se transfigura

e toca o seu próprio elemento

num corpo que já não é seu

num rio que desapareceu

onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro

Em todas as ruas te perco

Mário Cesariny

 

publicado por Vânia Caldeira às 21:26

19
Mar 07

"Afinal que relação é esta que temos! Que indefinição que me faz sentir amarrado a um nada que é tudo!
Nunca quis sonhar contigo quando fecho os olhos ao adormecer, e isso acontece-me todas as noites... Todas as noites estás entre luzes de cores garridas meia baças para as distinguir, mas muito fortes para me chamarem a atenção para ti que estás no meio delas!
Nunca entendi a maneira como me tocaste e não foste mais do que uma simples passagem, tão ténue... Nem ficámos próximos um do outro naquele dia em que ocupámos o mesmo espaço!
Mas tu insiste em ocupar o meu espaço. Eu não entrei no teu, não consegui... Tentei, mas negaste-me sempre o acesso!
Queria tanto conseguir ler os teus pensamentos, pensar como tu pensas, o que pensas sobre mim... Mas tu não pensas nada sobre mim, apenas me desprezas, me deitas para um qualquer canto da tua memória e sou apenas mais um que esteve no mesmo espaço que tu, e que tu não deixaste entrar no teu espaço.
Mas tu entraste no meu... Eu até podia ter a porta fechada que tu conseguias entrar na mesma! Não pediste autorização, mas eu não te censurei... simplesmente deixei que assim acontecesse porque afinal, era isso que eu queria!
Mas hoje estou desejoso de ter a tua atenção e não consigo! Hoje queria mais do que nunca sentar-me ao teu lado e falar contigo! Hoje, ontem, amanhã... Mas tu não estás próxima de mim, e para falar verdade, nem sequer sei onde estás! Só queria que não fosses verdade... Que nunca tivesses cruzado o meu caminho!
Com tantos espaços num espaço tão grande, tiveste logo que estar no mesmo espaço que eu e ocupar o teu, o meu...
Sai daqui: hoje não quero fechar os olhos porque sei que vais aparecer, e vais ficar a olhar para mim com o teu ar de desprezo.
Daquela vez, nem um olá me disseste... Apenas te despediste! Já não em lembro se foi com uma palavra, um gesto, um olhar, nada... O que interessa é que te despediste de mim sem nunca me teres saudado à chegada.
Quis morrer, mas hoje quero que tu morras. Podes continuar a viver, mas tens de morrer para mim, porque é impossível eu viver se tu não morreres.
Ou se calhar eu ficaria com remorsos... Mas também que é que isso te interessa?
Afinal é "A ti que amo. A mesma que me despreza."!"

Retirado do blog de um amigo, que escreve muitíssimo bem e cuja passagem por lá recomendo: http://pedrocazevedo.blogspot.com/

publicado por Vânia Caldeira às 19:53
sinto-me:
tags:

14
Mar 07

Finalmente o merecido prémio... António Lobo Antunes foi o vencedor do Prémio Camões 2007. Um escritor fenomenal e transcendente, cujas palavras nos reportam para novas perspectivas dum mesmo mundo. Vale sem dúvida a pena ler Lobo Antunes. A quem não leu, não percam a magnífica oportunidade!

"Quantos anos tenho? , interrogou-se ele procedendo à periódica verificação de si próprio que lhe permitia um entendimento precário com a realidade exterior, substância viscosa em que os seus passos se afundavam, perplexos, sem destino. As filhas, o bilhete de identidade e o lugar no hospital ancoravam-no ainda ao quotidiano mas por tão finos fios que prosseguia pairando, sementinha peluda de sopro em sopro, a hesitar. Desde que se separara da mulher, perdera lastro e sentido (...). Ultimamente observando-se ao espelho, achava que as próprias feições se desabitavam, as pregas do sorriso davam lugar às rugas do desencorajamento. No seu rosto havia cada vez mais testa (...). E desejou rapidamente retornar à linha de partida, em que as promessas de vitória são não apenas permitidas mas obrigatoriamente desejáveis: o campo dos projectos que se não realizam nunca era um pouco a sua pátria, o seu bairro, a casa de que conhecia de cor os mínimos recantos, as cadeiras coxas, os insectos, os cheiros íntimos, as tábuas que estalavam."

António Lobo Antunes in Memória de Elefante

publicado por Vânia Caldeira às 21:55
sinto-me:

11
Mar 07

O ambiente em Alvalade XXI ontem foi o melhor dos últimos tempos. As bancadas estavam repletas de cachecóis e balões cor de rosa e, sobretudo, de muitos sorrisos femininos. As leoas responderam ao apelo leonino e foram apoiar a sua equipa.

Desta vez valeu mesmo a pena ir ao estádio. Depois das últimas exibições fracas a que assisti no estádio, estava pouco esperançosa. Mas conseguiram surpreender!!!

O resultado? Não podia ser outro. Um jogo de emoções, com muitas oportunidades da equipa da casa e magníficas exibições dos jogadores mais jovens da nossa equipa. O melhor golo da noite foi do pequeno, que se tornou grande, João Moutinho, autor de uma exibição fantástica. Miguel Veloso esteve ao melhor nível, sempre senhor de boas exibições. Mas também Yannick se destacou ao bisar, mas não só...

No final, o devido reconhecimento às inúmeras adeptas que abrilhantaram as bancadas...

"Agradecemos todo o apoio que as muitas mulheres que estiveram presentes dispensaram a toda a equipa. Esperamos que continuem a fazer o mesmo nos próximos jogos. Obrigado a todas. São as mulheres mais bonitas do Mundo!”           Yannick  Djaló

P.S. Um grande beijinho para a minha prima Karine (à direita, na foto) ... Grandes leoas! Sporting forever!

publicado por Vânia Caldeira às 10:29
sinto-me:

10
Mar 07

 

Sabes que tenho saudades tuas? Talvez saibas, talvez não. Gostava que soubesses... E que também tivesses saudades. Que me visses em cada linha dos textos que percorres, em cada sonho dos que te visitam à noite, em cada pensamento que te preenche...

Talvez não saibas simplesmente porque não to disse... Talvez não saibas porque não queres saber... Talvez nos preencha a ambos uma incerteza paralisante.

Talvez não saibas que quando te olho, me perco profundamente nos teus olhos. Talvez não saibas a atenção que presto a cada gesto ou como valorizo cada palavra.

E como foi? Foi de um dia para o outro, inexplicável e inesperado... Mas deixaste de ser o mesmo, agora és especial. Especial demais para te conseguir esquecer.

Não sei como vai ser, não sei sequer se vai ser. Só sei que gostava que fosse... e que gostava que soubesses as saudades que sinto tuas e que também as sentisses... Só isso, nada mais...

Vânia Caldeira

publicado por Vânia Caldeira às 12:07
tags:

"Talvez por não saber falar de cor, imaginei...

Talvez por não saber o que será melhor, aproximei...

Meu corpo é o teu corpo, o desejo entregue a nós

Sei lá eu o que queres dizer,

Despedir-me de ti, adeus, um dia voltarei a ser feliz.

 

Eu já não sei se sei o que é sentir o teu amor, não sei o que é sentir

Se por falar falei, pensei que se falasse, era fácil de entender.

 

Talvez por não saber falar de cor, imaginei...

Triste é o virar de costas, o último adeus...

Sabe Deus o que quero dizer...

Obrigado por saberes cuidar de mim

Tratar de mim...

Olhar para mim...

Escutar quem sou...

E se ao menos tudo fosse igual a ti....

 

Eu já não sei se sei o que é sentir o teu amor, não sei o que é sentir

Se por falar, falei, pensei que se falasse, era fácil de entender..."

 

Fácil de Entender, The Gift

publicado por Vânia Caldeira às 11:57

01
Mar 07

Acho que já vos devia esta...

Da esquerda para a direita: Bruno, Satã, Xibas, Valter, Francisco, Ricardo.

Um enorme beijo para os meninos mais queridos do Mundo... Mamados sempre ao melhor nível. Adoro-vos a todos, lindos!

publicado por Vânia Caldeira às 11:32
sinto-me:

Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13
15
16
17

18
20
22
24

25
26
27
28
29
30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO