Para sonhadores... Deixem-se levar... O blog mudou de cores, mas os sonhos são os mesmos...

10
Dez 06

Natal... Na província neva.

Nos lares aconchegados,

Um sentimento conserva

Os sentimentos passados.

Coração oposto ao mundo,

Como a família é verdade!

Meu pensamento é profundo,

Estou só e sonho saudade.

E como é branca de graça

A paisagem que não sei,

Vista de trás da vidraça

Do lar que nunca terei!

Fernando Pessoa

publicado por Vânia Caldeira às 17:54
sinto-me:

As pessoas têm sonhos, metas, ideais... as metas nem sempre são alcançadas como as conjecturámos, mas isso não é difícil de aceitar, porque só o alcançá-las faz com que valham a pena. Os ideais, esses já são um pouco mais complicados... perdemos uns, outros mantêm-se toda a vida, porque acreditamos neles, apesar de nunca se concretizarem. No fundo nunca passam disso mesmo: ideais. Até porque se se concretizassem deixariam de o ser...

O pior de tudo são os sonhos.... E simultaneamente o melhor. Os sonhos são o único meio de transporte disponível que nos leve a voar, são a única forma de fazermos tudo o que queremos, são o único mundo em que tudo é possível, em que não há ordem nem lógica. Há vontades, desejos, ambições, imaginários criados, reinventados.

Todas as mulheres sonham, acho eu, nalgum momento da sua vida, encontrar um homem perfeito. A metáfora do príncipe no cavalo branco é certamente a que melhor exprime esse desejo, esse sonho. Por vezes as pessoas não percebem bem a essência da metáfora... Não interessa se ele chega a cavalo, se chega de Porsche, Renault ou a pé. Não interessa que seja um príncipe em riqueza. São os momentos em si que interessam... aqueles momentos que, na realidade, só nos filmes conseguimos ver. Interessa se o nosso suposto "príncipe" nos respeita e acarinha, tudo faz para nos ver feliz... Interessam os gestos de cavalheirismo quando nos deixa passar sempre em primeiro lugar nas portas, interessa que se recorde das datas importantes... Interessam os pequenos presentes cheios de simbolismo: as flores, os passeios, as carícias...

E depois... pensamos que nada é assim. E esperamos e nada acontece assim.. Nunca nada se adequa às nossas expectativas, nunca nada é tão perfeito quanto imaginámos...

E chegamos a afirmar que os "príncipes" não existem. O problema é que eles existem e são os que estão mais próximos de nós, mas também mais discretos... São sempre aqueles em que não reparamos. Que a toda a hora nos tentam dar subtis provas do que por nós sentem: em cada gesto, em cada tentativa de corresponderem aos nossos caprichos, em cada olhar fraterno que nos dão,... E nós?

Permanecemos indiferentes, rodeadas de grandes amigos (que talvez sejam mais do que apenas isso), permanecemos indiferentes e cegas, à espera de um cavalo que já não vem, à espera de um príncipe que já chegou... e que pura e simplesmente não vemos... Porque é que temos de escolher sempre os errados?

publicado por Vânia Caldeira às 17:16

publicado por Vânia Caldeira às 11:11

Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
19
20
22
23

24
26
27
28
30

31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO