Para sonhadores... Deixem-se levar... O blog mudou de cores, mas os sonhos são os mesmos...

04
Ago 06

Poison @ National Geographic Magazine

A agilidade e inteligência adquiridas desde que os nossos antepassados se ergueram sobre dois pés também tiveram desvantagens: uma pletora de dores e sofrimentos dificultam a vida do ser humano.


Nós, seres humanos, somos criaturas estranhas: bípedes sem cauda, dotados de colunas dorsais sinuosas, membros longos, pés arqueados, mãos ágeis e cérebros enormes. O nosso corpo é um mosaico de características apuradas por mecanismos de selecção natural ao longo de extensos períodos de tempo. O organismo tem capacidades requintadas, reconheça-se, mas também tem falhas profundas. Conseguimos pôr-nos de pé, caminhar e correr com graciosidade e resistência, mas sofremos lesões dolorosas nos pés e nos joelhos; conseguimos rodar e torcer a nossa coluna vertebral, mas a maioria das pessoas sofre problemas de coluna em determinada fase da sua vida; conseguimos gerar bebés com cérebros grandes, mas sofrendo dores e correndo riscos. Há muito que os cientistas procuram resposta para seguinte pergunta: como evoluiu o nosso corpo até se transformar naquilo que actualmente é? Hoje em dia, apoiando-se em métodos novos de várias disciplinas, os peritos concluíram que muitas das falhas do nosso “desenho” têm um traço comum: derivam dos compromissos evolucionários ocorridos quando os nossos antepassados assumiram a postura bípede. Foi o primeiro passo no longo caminho para se tornarem humanos.

in National Geographic (edição portuguesa da revista de Julho)

publicado por Vânia Caldeira às 11:19
sinto-me:
tags:

Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15
16
17
19

21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO